Porque a surdez é uma deficiência invisível

Porque a surdez é uma deficiência invisível

Falar sobre surdez com quem não conhece nada sobre o assunto é sempre uma conversa interessante. Pouca gente sabe que a maioria dos surdos têm dificuldades com o português por serem alfabetizados em Libras, e muita gente ainda usa a nomenclatura incorreta (surdo-mudo) para se referir a quem tem deficiência auditiva. A discussão sempre começa com esses esclarecimentos (e com outros que a gente falou nesse post) e demora um pouco até se aprofundar.

No fundo, as pessoas não estão acostumadas a falar sobre acessibilidade. Quando o tema aparece, os primeiros a serem lembrados são os deficientes físicos ou quem possui deficiência visual. A surdez passa despercebida. Como saber se aquele rapaz com o qual você cruzou na rua mais cedo é surdo ou ouvinte? Muitas vezes não paramos para pensar nisso, e é por isso que as conversas sobre a comunidade surda sempre seguem o mesmo roteiro. A surdez é uma deficiência invisível.

Reconhecer isso é chamar atenção para a maior barreira que os surdos enfrentam: a comunicação.

 

Retângulo de fundo azul escuro, na horizontal. No canto esquerdo há uma tela de computador com os ícones de três pessoas. Há uma faixa roxa que se sobrepõe ao canto da tela, onde se lê em branco "webinar grátis!". Do lado direito da tela lê-se também em branco: "10 Dicas de Acessibilidade para gestores e Gerentes, com Ivone Santana, Instituto Modo Parités". Ao lado do texto, no canto direito da figura, há um botão amarelo retangular de bordas arredondadas onde se lê em branco "assista aqui". Fim da Descrição.

A comunicação está no centro do problema

Dentre as inúmeras barreiras existentes para a acessibilidade, a comunicacional é, de longe, a maior para o surdo. Pense por um momento consigo mesmo: quais atividades do seu dia a dia envolvem comunicação? Praticamente todas, não é? Imagine como é o cotidiano de uma pessoa surda que tem a Língua Brasileira de Sinais como primeira língua, em um país em que poucos ouvintes sequer a conhecem. Muita coisas são comprometidas. E muitas delas são básicas:

  • Na educação, por exemplo, os efeitos ocorrem tanto na socialização dos alunos surdos quanto na dificuldade em terminar os estudos. A taxa de alfabetização das pessoas com deficiência auditiva é bem menor que a das sem nenhuma deficiência – 75,5% contra 92,1% (Censo 2010).
  • Isso também afeta a vida profissional do surdo, que precisa enfrentar o despreparo de recrutadores e gestores em um ambiente de trabalho que não está acessível a maioria das vezes.
  • E o ambiente virtual não é exceção: somente 2% dos sites estão acessíveis para as pessoas com deficiência. É como se a internet estivesse offline para o surdo!

Esses são só alguns exemplos de como a falta de comunicação pode afetar profundamente a vida de quem é surdo. No final das contas, ela tem grande impacto em uma coisa fundamental para a vida: a conexão humana.

 

Imagem retangular na horizontal, com o fundo bege. No canto esquerdo há, dentro de um círculo, um capelo de formatura sobre livros empilhados, e uma faixa na base que diz "educação" em branco. No centro lê-se: "ebook gratuito, acessibilidade em universidades, para se adequar à lei brasileira de inclusão!". No canto direito há um botão em verde claro forte, com a chamada "BAIXE O EBOOK GRÁTIS". Fim da descrição.

O segredo é a conexão

“Quando não conseguimos alcançar o que alguém diz, não nos comunicamos efetivamente com essa pessoa. E quando não nos comunicamos efetivamente com outro ser humano, perdemos a conexão humana, que é a conexão mais bela e mais poderosa da vida.”

– Paula Pfeifer, em post do blog Crônicas da Surdez

A vida em sociedade é feita de conexões humanas. São elas que nos proporcionam o desenvolvimento pessoal e profissional que buscamos. Também são elas que definem muitas das regras sociais, essenciais para uma convivência harmoniosa com o outro.

E como fazer para recuperar essa conexão? Essa é uma pergunta sem resposta simples, mas uma boa forma de começar é ouvindo as histórias dos surdos. Um exemplo super legal é o depoimento da Luana, do Instituto da Oportunidade Social (IOS), contando sobre sua trajetória e desafios da surdez:

 

 

Outro caso interessante é o da Denise, que contou para a gente o que enfrentou quando foi para o mercado de trabalho e deixou um recado especial para os surdos que estão procurando emprego:

 

 

Essas histórias são fundamentais para dar visibilidade às lutas e conquistas de quem possui deficiência auditiva. Se você é surdo, deixe sua história (ou um pedacinho dela) nos comentários! E se você por ouvinte, faça a reflexão final: o que eu posso fazer para dar mais visibilidade à surdez?

Compartilhe esse post!



12 thoughts on “Porque a surdez é uma deficiência invisível”

  • 1
    Adriana on Responder

    Quero aprender mais dessa língua, estou apaixonada. Quero ajudar outras pessoas.

  • 2
    Santos Santana on Responder

    Parabéns pela iniciativa, esclarecimentos, faço uso do app e irei me aprofundar no intuito de poder contribuir para acessibilidade dos mesmos.

  • 3
    sara noemi Miranda on Responder

    Eu tem quer avisa nome sara onda libras

  • 4
    Tamires Moreira on Responder

    Excelente iniciativa, sucesso pra vocês aqui no blog, e que vocês possam atingir um público muito grande! 👏

  • 5
    Eleny Mello on Responder

    Ferramenta interessante e importante para todos, principalmente a quem tem interesse em conhecer​ e se comunicar com o surdo quando se é ouvinte.
    Tenho buscado esse conhecimento. Acho difícil mas, insisto no aprendizado.
    Parabéns a todos.
    Que Deus os abençoe.

  • 6
    Vanice on Responder

    Muito interessante o conteúdo. Bom seria se todos os ouvintes fossem em busca da língua de sinais, p poderem conversar e se socializar com os surdos. Estou fazendo um curso de libras e tô amando. Espero poder em breve está até mesmo atuando nessa área, pois esse é o meu objetivo. Parabéns plo blog.

  • 7
    Andrileia pantoja aires on Responder

    Oi bom dia
    Só Surda
    Quer mostro to liberas

  • 8
    Sirlene Rosa de Oliveira on Responder

    vocêu

  • 9
    Claudete on Responder

    Sou ouvinte, não faço pedagogia, não tenho contato com surdos… porém sou encantada por LIBRAS e pelo valor que ela tem é a sociedade, infelizmente,desconhece.Estou adorando o aplicativo é o blog…me ajudam muito!

  • 10
    Carla on Responder

    Eu faço faculdade de libras eu amo essas pessoas que nos ensinam que o silêncio e não é motivo de não ser feliz

  • 11
    Thiago augusto Fabri da Conceição on Responder

    Eu vir libras bom

  • 12

    Histórias inspiradoras, espero que possamos ajudar a aumentar essa taxa de sites acessíveis. Em nossa especialização em Inovação em Midias Interativas da UFG estamos estudando estas plataformas acessíveis e sem duvida o Hand Talk é um case maravilhoso para nos inspirar. Parabéns a todos vocês.
    Abraço Carlos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *