Responsabilidade social da porta para dentro: a importância da inclusão

Responsabilidade social da porta para dentro: a importância da inclusão

A Responsabilidade Social não é um assunto novo para as empresas. Grande parte das organizações que conhecemos já possuem algum tipo de ação de responsabilidade, e algumas até dedicam áreas inteiras só para isso. No entanto, ainda há empresas que não trabalham o tema de forma consistente ou que só o abordam da porta para fora. Os projetos que são mais lembrados pela gente costumam ser os que são voltados para o meio ambiente ou para a comunidade – que são dois importantes stakeholders externos das empresas.

Mas, muitas vezes, esquecemos que a responsabilidade social das organizações tem que começar dentro de casa. Os projetos voltados para o público interno são tão importantes quanto os externos e têm a capacidade de influenciar diretamente nos resultados deles. Mas por que será que eles são tão esquecidos? E, afinal de contas, o que um bom projeto interno de responsabilidade social deve ter?

Para responder a essas perguntas é importante entender um pouco mais sobre o tema e como ele se relaciona com um elemento fundamental dessa discussão: a inclusão.

 

Responsabilidade Social: Imagem retangular, na horizontal, com fundo azul escuro e llistras brancas finas. No canto esquerdo vê-se um pequeno livro azul com as logos da Hand Talk e da ASID, com o título "E-book grátis: Porque a sensibilização é a chave para uma empresa inclusiva". No centro da figura vê-se o mesmo título repetido. No canto direito há um botão retangular na cor verde com o texto "Baixe o ebook grátis" em azul, no centro. Fim da descrição.

 

Responsabilidade Social: o que é e como funciona?

 

“Responsabilidade Social é o compromisso empresarial de contribuir para o desenvolvimento econômico sustentável, trabalhando em conjunto com os empregados, suas famílias, a comunidade local e a sociedade em geral para melhorar sua qualidade de vida, de maneiras que sejam boas tanto para as empresas como para o desenvolvimento.”

– Banco Mundial (2002)

Essa definição do Banco Mundial traz alguns elementos importantes, como o desenvolvimento sustentável. Quando falamos de Responsabilidade Social precisamos sempre levar em conta os famosos três pilares de desenvolvimento: Econômico, Social e Ambiental.

Hoje é bastante normal pensar nesses três pilares, mas nem sempre foi assim. Até os anos 60, as empresas entendiam que a responsabilidade era algo muito mais restrito e ligado à questão econômica. Bastava que os produtos fossem úteis e produzidos em ambientes seguros, e que houvesse geração de empregos e lucro.

Com o passar do tempo, a discussão sobre a Responsabilidade Social das empresas se aprofundou e elas passaram a considerar mais as consequências das suas atividades do dia a dia. Como a maior parte delas era do setor industrial, os projetos de Responsabilidade Social naturalmente se atrelaram a questões ambientais e ao impacto dos produtos, como acontece até hoje.

Mas só depois dos anos 80 que a Responsabilidade Social virou um assunto estratégico para as empresas. Foi quando surgiram as consultorias especializadas e as certificações sobre o tema. As organizações começaram a antecipar os problemas sociais e agir proativamente sobre eles. E nesse momento um público super estratégico – e até então esquecido – passou a ser o foco das ações: os colaboradores.

Ser uma empresa socialmente responsável virou sinônimo de ter vantagem competitiva. E isso se relaciona diretamente com os funcionários e com a capacidade das equipes de gerarem inovação.

 

Vantagem competitiva? O que isso tem a ver com inclusão?

É aí que está o ponto: o que amarra Responsabilidade Social, vantagem competitiva e inovação é a inclusão nas empresas.

Deixa a gente te explicar direito.

Quando discutimos vantagem competitiva, estamos falando de um diferencial que coloca uma empresa à frente dos seus concorrentes. E nos últimos tempos, ficou claro que as empresas que mais inovam conseguem liderar seus mercados. E sabe qual fator está diretamente relacionado com a geração de inovação nas empresas? A diversidade.

Na hora de resolver um problema ou implantar um projeto, as equipes mais diversas são as que trazem soluções mais criativas e inovadoras. A variedade de vivências traz perspectivas diferentes que poderiam ser desconsideradas caso as equipes fossem homogêneas. Mas colocar um monte de pessoas diferentes em uma mesma sala não é sinônimo de inovação. É preciso que elas se sintam confortáveis para expressarem suas ideias. Deve haver segurança para que elas possam se arriscar e o espaço precisa acolher todas as suas diferenças. Em outras palavras: o ambiente de trabalho precisa ser inclusivo.

E é aí que entram os projetos de Responsabilidade Social voltados para inclusão. Eles são o primeiro passo de qualquer empresa que quer inovar e ser mais competitiva. E de quebra têm um efeito positivo nos projetos externos, que acabam refletindo esses valores e trazendo melhores resultados.

 

Responsabilidade Social: Banner Retangular, na horizontal, com fundo roxo. No canto esquerdo vê-se parte do logo da Natura, uma flor branca estilizada. No centro lê-se em letra cursiva laranja "Case de sucesso:". Abaixo disso, em branco há o texto "Como a Natura vai muito além da Lei de Cotas e como a sua empresa também pode ir". No canto direito há um botão retangular de bordas arredondadas na cor verde com o texto descubra aqui" em roxo. Fim da descrição.

 

Na prática: Responsabilidade Social e Inclusão na EY

Agora que você já sabe da importância de implementar um projeto de inclusão na sua empresa, vamos mostrar como isso é feito na prática. E, para isso, nada melhor do que um exemplo de peso!

A EY é uma das quatro maiores empresas de consultoria e auditoria do mundo (as Big Four) e, só no Brasil, conta com mais de 4.700 funcionários em quinze escritórios no país. Com esse tamanho, o desafio de gerir a diversidade surge naturalmente para a empresa, e é encarado de uma forma bastante estratégica.

Ela enxerga a Diversidade e a Inclusão como dois pilares fundamentais para ter times mais motivados e produtivos e investe pesado na construção de um ambiente de trabalho em que todas as diferenças sejam consideradas. A empresa possui iniciativas e programas voltados para mulheres, pessoas com deficiência, negros e LBGTs, e parte do princípio de que “todas as diferenças importam”.

Para as pessoas com deficiência, por exemplo, a EY oferece um programa com treinamentos e sensibilizações com as equipes, buscando sanar dúvidas e integrar as pessoas. E sendo uma empresa conhecida por seu pioneirismo, a EY entende que a tecnologia é fundamental para esse processo e aposta nela como caminho para o futuro.

A empresa saiu na frente do mercado em termos de acessibilidade digital e tornou o seu site acessível para pessoas com todo tipo de deficiência, seguindo os padrões internacionais de acessibilidade na Web. O site também conta com tecnologias assistivas como a própria Hand Talk, que permite que os surdos da empresa acessem o conteúdo da intranet com tradução automática para a Língua Brasileira de Sinais.

E o reconhecimento das ações é tangível. A EY conquistou o 1º lugar no ranking Diversity Inc. Top 50 e é considerada uma das Melhores Empresas do Brasil para Começar a Carreira. Esses ganhos somam-se à projeção mundial que a organização tem, sendo uma das maiores empresas de serviços do mundo.

Compartilhe esse post!


Rating: 5.0. From 1 vote.
Please wait...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *