3 fatores essenciais para criar um projeto de acessibilidade completo

3 fatores essenciais para criar um projeto de acessibilidade completo

Quem acompanha os conteúdos aqui do blog, sabe que não é de hoje que a gente levanta a bandeira da acessibilidade em todos os espaços – sejam eles físicos ou virtuais. Um ambiente inclusivo é aquele que permite  que todas as pessoas, com deficiência ou não, tenham autonomia para realizar suas tarefas no dia a dia. E acessibilidade é um requisito fundamental para que isso aconteça.

Nesse contexto, cada vez mais as empresas estão passando a enxergar a necessidade de se adequar à diversidade do seu público, incluindo um projeto de acessibilidade no seu planejamento. Pensar na acessibilidade desde o começo é mais fácil e barato na hora da implementação, podendo chegar a 0,2% dos gastos totais. Mas, calma, se você não conseguiu fazer as adaptações logo no começo, nunca é tarde demais! Nesse momento, o importante é dar o primeiro passo.

Mas acessibilidade não são só rampas de acesso, viu!? Sim, elas são extremamente importantes, mas não são tudo! Se você estiver meio perdido e não sabe como começar o seu projeto, uma boa dica é procurar um consultor de acessibilidade, que vai analisar e dizer o que pode ser mudado e o que é mais importante fazer.  A gente sabe que nesse momento muitas dúvidas podem surgir, pensando nisso, a gente separou as informações básicas para elaboração de um projeto de acessibilidade. Vamos lá!?

 

Cuide do espaço físico

Segundo o Decreto 5.296, toda edificação deve estar adaptada seguindo o design universal, ou seja, quebrar as barreiras nos espaços físicos a fim de garantir que pessoas que usam cadeiras de roda ou tem mobilidade reduzida possam circular numa boa. Pensando nisso, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) lançou uma série de padrões, como largura das portas, espaço entre mesas, rampas de acesso, elevadores etc.

Ao caminhar por locais públicos, você já deve ter reparado em umas faixas em alto-relevo no chão. Esse é o piso tátil. Ele serve para orientar as pessoas cegas ou com deficiência visual nos espaços. Mas o piso tátil não pode ser feito de qualquer jeito, viu!? Existe um padrão que sinaliza obstáculos e direciona as pessoas cegas possibilitando que elas se locomovam sozinhas com segurança e autonomia.

 

História da língua de sinais (Libras): Imagem retangular, na horizontal, com fundo laranja escuro. No canto esquerdo há uma cadeira de rodas e um olho e uma orelha com traços em cima, simbolizando diferentes deficiências. No centro lê-se em branco "Como investir em acessibilidade pode ser um trunfo no crescimento da sua organização.". No canto direito há um botão amarelo retangular de bordas arredondadas, com o texto em laranja: Baixe o ebook grátis". Fim da Descrição.

Não se esqueça da comunicação

Fazer um pedido em um restaurante ou comprar um produto na internet parecem tarefas bem simples, mas para algumas pessoas não são. Isso acontece devido às barreiras na comunicação que existem no dia a dia. Acontece, por exemplo, quando uma pessoa surda vai a uma palestra que não possui intérprete de Libras. Acontece quando uma pessoa cega acessa um site e as imagens não possuem descrição. Por isso, na hora de desenvolver o seu projeto, não se esqueça de incluir acessibilidade comunicacional!

Mas como fazer isso? Calma que a gente te explica!

Se a sua empresa tiver um site, por exemplo, é legal garantir que todas as imagens possuam texto alternativo, assim os leitores de tela conseguem identificar o seu conteúdo e descrevê-las para quem o utiliza. Sites também devem estar acessíveis em Libras. Os surdos são alfabetizados em língua de sinais, por isso, muitas vezes, não compreendem bem o português e dependem dela para se comunicar. Quando o assunto é redes sociais, você pode utilizar a hashtag #PraCegoVer na hora de descrever as imagens, e sempre que possível adicione vídeos com legenda e tradução para Libras.

Saindo do ambiente digital, existem outros pontos para adicionar a esse checklist: tenha versões alternativas dos materiais importantes em braille. Isso ajuda e muito as pessoas cegas. Se sua empresa for um restaurante, por exemplo, e disponibilizar cardápios em braille, os seus clientes cegos conseguirão lê-los e realizar seu pedido com autonomia. Também não se esqueça das placas de sinalização em braille. Já pensou que mico entrar no banheiro errado porque a placa estava apagada? Sem as placas em Braille, você pode envolver as pessoas nesse tipo de situação.

Por fim, fique atento, essas barreiras podem não estar só na internet e nos espaços físicos, mas também podem estar com a gente, viu!? Imagina só quando você for conversar com um surdo, mas não sabe nada de Libras. A comunicação entre vocês vai ficar comprometida, não é mesmo!? Busque sempre ter alguém no seu time que saiba pelo menos o básico de Libras e promova ações de incentivo para que todos possam aprender 😍

 

Acessibilidade é questão de atitude

Mas ainda existe mais um tipo de acessibilidade? Sim, eu juro que essa é a última! 😂😂

Acessibilidade atitudinal está relacionada às atitudes de cada ser humaninho. Quando se trata de uma organização, significa ter uma equipe inclusiva e empática, compartilhando um espaço onde todo mundo possa conviver e interagir na paz e amor. Para quebrar essa barreira, crie momentos de sensibilização, estruture programas com palestras e workshops, onde as pessoas com deficiência possam compartilhar suas vivências com toda equipe.

Agora você já sabe tudo o que precisa saber para dar o pontapé inicial no seu projeto de acessibilidade. Pensando nisso, a gente também separou 5 dicas para investir em acessibilidade que vão te ajudar muito nesse momento

 

Banner retangular com transparência amarela. Ao fundo, está a foto de um grupo de pessoas no escritório. E o texto: Como a EY se tornou referência em diversidade e inclusão.

 

Compartilhe esse post!


Rating: 5.0. From 1 vote.
Please wait...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *